terça-feira, 19 de agosto de 2008

Zizi Possi


Maria Izildinha Possi (São Paulo, 28 de março de 1956), mais conhecida como Zizi Possi, é uma cantora brasileira. Paulistana do bairro do Brás, típico reduto de imigrantes italianos, estudou piano e canto na infância e mudou-se para Salvador aos dezessete anos, onde estudou composição e regência. Após dois anos de curso, abandonou a faculdade e fez teatro com o irmão, o diretor musical José Possi Neto, na mesma época em que participou da montagem do musical Marilyn Miranda.

Em um projeto para a prefeitura soteropolitana, trabalhou como musicóloga para crianças — filhos de prostitutas no Pelourinho —, gravou jingles comerciais e participou de especiais da televisão local, além de trabalhar como tradutora, transferindo-se posteriormente para o Rio de Janeiro.


A convite do então diretor artístico Roberto Menescal, Zizi assinou contrato com a gravadora Philips, que posteriormente transformou-se em Polygram (atualmente Universal Music), que lançaria quase todos os discos.

O primeiro LP gravado foi Flor do Mal (1978) e o primeiro grande sucesso foi a canção Pedaço de Mim, gravada para um disco de Chico Buarque, autor da canção, que também dá título ao segundo álbum, datado de 1979, no qual outras duas canções se destacariam: Nunca e Luz e mistério.


Década de 1980
Paralelamente ao lançamento do disco e espetáculo Um Minuto Além (1981), ganhou o primeiro prêmio, de cantora-revelação pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Dê um Rolê (1984) e Amor e Música (1987). Os discos nesta época tinham uma linha mais comercial, principalmente de canções para trilha sonora de telenovelas e atendendo a tendências mercadológicas.

Originalmente idealizado para a montagem do ballet teatro do Balé Teatro Guaíra (Curitiba, 1982), o espetáculo O Grande Circo Místico foi lançado em 1983. Zizi integrou o grupo seleto de intérpretes que viajaram o país apresentando o projeto, um dos maiores e mais completos espetáculos teatrais já apresentados, para uma platéia de mais de duzentas mil pessoas.

Zizi interpretou a canção-tema O Grande Circo Místico, composta pela dupla Chico Buarque e Edu Lobo. O espetáculo conta a história de amor entre um aristocrata e uma acrobata e a saga da família austríaca proprietária do Grande Circo Knie, que vagava pelo mundo nas primeiras décadas do século.


Valendo-se ainda do filão engajado da pós-ditadura e feminismo, cantou, ainda que com uma participação individual diminuta, no coro da versão brasileira de We Are the World, o hit americano que juntou vozes e levantou fundos para a África ou USA for Africa.


O projeto Nordeste Já (1985), abraçou a causa da seca nordestina, unindo 155 vozes num compacto, de criação coletiva, com as canções Chega de mágoa e Seca d´água. Elogiado pela competência das interpretações individuais, foi no entanto criticado pela incapacidade de harmonizar as vozes e o enquadramento de cada uma delas no coro.


Em 1989 lançou aquele que é considerado por muitos, inclusive pela própria Zizi, como um dos melhores discos: Estrebucha Baby — trabalho que marcou o afastamento do padrão comercial radiofônico da época, recebido com frieza e que foi um fracasso comercial. Neste disco também se definiu a saída da gravadora (cujo diretor artístico na época, hoje dono de padaria, a demite por não vender discos o suficiente), o fim do casamento e o retorno à cidade natal.

Discos acústicos
O espetáculo temático Sobre Todas as Coisas permaneceu em cartaz por dois anos e o repertório deste reunia canções consagradas entre outras do repertório do disco anterior. O grande sucesso deste acabou por originar o álbum homônimo, lançado em 1991 pela pequena gravadora Eldorado, em formato acústico, acompanhada por Marcos Suzano (percussão), o multiinstrumentista Lui Coimbra (violoncelo, alternando-se com violão e charango), Jether Garotti Júnior e as participações especiais de Alex Meireles e Pier Francesco Maestrini (piano). Esta idéia soou como inusitada, surpreendente e inovadora à época.

O CD, relançado em 2006 com uma tiragem limitada de mil cópias, foi um sucesso instantâneo - apesar de não veiculado pela imprensa, pois representou, esteticamente, uma mudança radical e vendeu mais que os discos que ela fizera até então.

De quebra, concorrendo com Marisa Monte e Leny Andrade, por esse álbum Zizi ganhou dois prêmios: o extinto Prêmio Sharp (atual Prêmio Tim de Música) e pela APCA, de melhor cantora e melhor CD de MPB em 1991.


Sobre Todas as Coisas foi reconhecido posteriormente como um divisor de águas na carreira. Devido ao afastamento da linha comercial e a transferência para essa gravadora independente onde conquistou maior liberdade na escolha do repertório, os trabalhos estavam desacreditados e com baixa expectativa de venda, mas a vendagem surpreendeu e o disco foi muito elogiado pela crítica especializada, onde explorou influências mais densas e teatrais, enquanto o subseqüente era mais leve e jazzístico.


O segundo trabalho nesse caminho foi Valsa Brasileira (1993), lançado desta vez pela independente Velas, fundada por Ivan Lins e o parceiro Vítor Martins. O repertório trouxe regravações de canções pouco conhecidas de compositores consagrados, com destaque para a faixa-título, de autoria da dupla Chico Buarque e Edu Lobo, tal como fizera com a faixa-título do trabalho anterior, também da dupla de compositores. A partir de então, ambas as canções seriam regravadas em voga por toda a MPB.

Com este álbum, que simulou uma incursão pelos arranjos eletrônicos, Zizi ganhou novamente o Prêmio Sharp de melhor disco de MPB, entrando no rol das grandes cantoras deste gênero. Valsa Brasileira também foi muito elogiado pela crítica especializada, devido ao repertório seletivo, cuidados técnicos e arranjos apurados. O espetáculo originado deste disco também obteve relevante sucesso, fugindo ao padrão mercadológico vigente.

Considerações
Ao longo da carreira Zizi se consagrou como cantora popular através dos sucessos como: Nunca, Luz e mistério, Meu amigo meu herói, Caminhos do sol, Engraçadinha, Eu velejava em você, O amor vem pra cada um, Dê um rolê, Luiza, Perigo, Esquece e vem, Noite, A paz e principalmente Asa morena. Esta última, do disco homônimo lançado em 1982, foi um sucesso radiofônico e comercial.


Ex-mulher do produtor musical Líber Gadelha (fundador da gravadora independente Indie Records em 1997) é mãe da cantora Luiza Possi, nascida em 26 de junho de 1984 na capital fluminense.


Discografia
1978 - Flor do Mal
1979 - Pedaço de Mim
1980 - Zizi Possi
1981 - Um Minuto Além
1982 - Asa Morena
1983 - Pra Sempre e Mais um Dia
1984 - Dê um Rolê
1986 - Zizi
1987 - Amor e Música
1989 - Estrebucha Baby
1991 - Sobre Todas as Coisas
1993 - Valsa Brasileira
1996 - Mais Simples
1997 - Per Amore - italiano
1998 - Passione - italiano
1999 - Puro Prazer
2001 - Bossa
2005 - Pra Inglês Ver... e Ouvir - inglês - ao vivo

DVD
1998 - Per Amore
2005 - Pra Inglês Ver... e Ouvir

Foi Assim - Zizi Posse

domingo, 3 de agosto de 2008

Falamansa


Falamansa é uma banda brasileira de forró criada em 1998 em São Paulo. Com a invasão do forró nas noites da capital paulista, surgiu na cidade um movimento para atender a demanda das casas noturnas e do público adolescente, que se identificou de imediato com a dança e com o ritmo contagiante do estilo.

Além de começarem a compor suas primeiras canções logo nos primeiros meses do conjunto, Josivaldo, Dezinho, Tato, Alemão e Valdir interpretavam sucessos de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, misturando sempre o chamado "forró universitário" ou "forró pé-de-serra", com as raízes da música nordestina. Até 2001, o grupo teve mais de 1 milhão de cópias vendidas no Brasil.


A história do Falamansa começa em 1998, no último dia de inscrição para o 3º Festival de Música do Mackenzie. Tato, hoje autor e vocalista da banda, era DJ de forró e já tinha algumas composições próprias. Decidiu inscrever uma delas ("Asas") no festival. Porém, ele não tinha uma banda. Quatro dias depois o Falamansa, que até então não existia, estava entre os 20 convocados dos 160 grupos inscritos no festival. Tato lembrou do Alemão, amigo DJ que tocava zabumba. Alemão, por sua vez, chamou o vizinho, Dezinho, que tocava triângulo.


Junto com eles, uma flautista e um baixista que fizeram parte da primeira formação da banda. Ensaiaram duas tardes e "Asas" faturou o segundo lugar no evento. Aí entrou em cena o experiente Josivaldo Leite, o Waldir do Acordeon, que já havia tocado com nomes como Oswaldinho do Acordeon e Jorge de Altinho.

Estava completa então a formação da banda que nunca se alterou. A Deckdisc ouviu o CD independente que eles gravaram em janeiro de 2000 e lançou Deixa Entrar, distribuído pela Abril Music. A banda começou a tocar em todas as terças-feiras na casa de shows Remelexo em Pinheiros, São Paulo.


Lançaram Essa É pra Vocês em 2001.


Em 2003, o grupo lançou o terceiro álbum da carreira. Simples Mortais, como foi intitulado, tem como carro-chefe a música "100 Anos", que ganhou um videoclipe.

O quarto álbum, Um Dia Perfeito, foi lançado em 2004, com canções inéditas como "Tempo de Paz", e algumas regravações como "Sete Meninas", de Dominguinhos, que já fazia parte do repertório de shows da banda.


Em 2005 chegou às lojas o CD e DVD MTV ao vivo. O material, gravado no dia 19 de fevereiro na Via Funchal, em São Paulo, contou com a participação de nomes como Dominguinhos, em "Sete Meninas" e "Forró do Bole Bole"; Zeider, do Planta & Raiz, em "Gotas de Amor"; e os Meninos do Morumbi, em "Homem de Aço".


Além de grandes sucessos da carreira, a compilação reúne três faixas inéditas, dentre elas "Decola" e "Amor e Cia". O DVD com o registro do show traz galeria de fotos, making-of, entrevistas e um documentário sobre o forró universitário entre os principais sucessos estão "Xote dos milagres " "Xote da alegria " e "Rindo atoa ".


Em 2014, o álbum Amigo Velho ganhou o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Regional ou de Raizes Brasileiras.

FONTE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Falamansa

sábado, 2 de agosto de 2008

Dolores Duran



Dolores Duran, nome artístico de Adiléia Silva da Rocha, (Rio de Janeiro, 7 de junho de 1930 — Rio de Janeiro, 23 de outubro de 1959) foi uma cantora e compositora brasileira.

Adiléia Silva da Rocha era filha de um sargento da Marinha. Começou a cantar muito cedo e recebeu seu primeiro prêmio aos dez anos de idade, no programa "Calouros em Desfile", de Ary Barroso. Suas apresentações no programa tornaram-se frequentes, fixando-a na carreira artística.

Quando Adiléia tinha 12 anos seu pai faleceu e, a partir de então, teve que sustentar a família, cantando em programas de calouros e trabalhando no rádio como atriz.

A partir dos 16 anos adotou o nome artístico Dolores Duran. Autodidata, cantou músicas em inglês, francês, italiano e espanhol, a ponto de Ella Fitzgerald lhe dizer que foi na voz dela que ouviu a melhor interpretação que já havia ouvido de My Funny Valentine, um clássico da música norte-americana.

No final da década de 1940, Dolores estreou na Rádio Nacional, tendo sido contratada para se apresentar ao lado de nomes como Chico Anysio e Angela Maria. Em 1951, teve um relacionamento amoroso com João Donato, que não foi em frente devido à oposição da família do rapaz, então com 17 anos, enquanto Dolores tinha 21.

A estréia de Dolores em disco foi em 1952, gravando dois sambas para o Carnaval do ano seguinte: Que bom será (Alice Chaves, Salvador Miceli e Paulo Marquez) e Já não interessa (Domício Costa e Roberto Faissal).

Em 1953, gravou Outono (Billy Blanco), e Lama (Paulo Marquez e Alice Chaves). Dois anos depois, vieram as músicas Canção da volta (Antonio Maria e Ismael Neto), Bom querer bem (Fernando Lobo), Praça Mauá (Billy Blanco) e Carioca (Antonio Maria e Ismael Neto).


Em 1955, casou-se com o radioator e músico Macedo Neto. No mesmo ano, foi vítima de um infarto, tendo passado trinta dias internada em um hospital. Dolores resolveu não seguir as restrições que os médicos lhe determinaram, agravando seus problemas cardíacos que tinha desde a infância, que ao longo do tempo só pioraram, pois abusava de cigarro, fumando mais de 3 maços por dia, e bebida alcoólica em excesso, principalmente vodka e wiskie. Com isso, a depressão passou a marcar a vida de Dolores Duran.

Em 1956, fez sucesso com a música Filha de Chico Brito, composta por Chico Anysio.

No ano seguinte, um jovem compositor apresenta a Dolores uma composição dele e de Vinícius de Moraes. Tratava-se de Antônio Carlos Jobim (Tom Jobim), no início da carreira. Em três minutos, Dolores pegou um lápis e compôs a letra da música "Por Causa de Você". Vinícius ficou encantado com a letra e gentilmente cedeu seu espaço a Dolores.


Foi revelado a partir daí o talento de Dolores para a composição e grandes sucessos se sucederam, como "Estrada do Sol", "Idéias Erradas", "Minha Toada" e "A Noite do Meu Bem", entre outros.

Dolores passou por uma gravidez tubária (gravidez de alto risco que faz a mãe ficar estéril e perder a criança), interrompendo seu sonho de ser mãe.

Em 1958, divorciou-se de Macedo Neto e passou meses na Europa com seu conjunto musical.


(música gravada por Dolores Duran em 1958, num 78 rpm, junto com a música " O negócio é amar ".)

No Brasil Dolores Duran adotou uma menina negra, Maria Fernanda Virgínia da Rocha Macedo, que foi registrada por Macedo Neto, mesmo ele estando divorciado de Dolores e a menina não ser nada dele. A mãe biológica de Maria Fernanda Virgínia havia falecido após o parto. O pai, por sua vez, foi uma das vítimas da pior tragédia em trens suburbanos do Rio de Janeiro.

A partir daí compôs, durante seus dois últimos anos de vida, algumas das mais marcantes músicas da MPB, como Castigo, A Noite do Meu Bem, Olha o Tempo Passando e Estrada do Sol, entre tantas outras.


Em 23 de outubro de 1959, com 29 anos, chegou em casa às 7:00 da manhã, depois de cantar a noite toda no Little Club. Brincou e beijou muito a filha Maria Fernanda Virgínia, já com 3 anos, na banheira. Em seguida, passou os últimos cuidados à empregada Rita: "Não me acorde. Estou cansada. Vou dormir até morrer", disse brincando.

Desde menina Dolores apresentava problemas de saúde, provocados por reumatismo infeccioso. Dolores Duran morreu dormindo, no dia 23 de outubro de 1959, depois de ter cantado na boate Little Club e de ter dado uma "esticada", junto com amigos, no Clube da Aeronáutica e no Kilt Club. Não se sabe se sua morte foi provocada por distúrbios cardíacos ou por dose excessiva de barbitúricos.

A morte prematura de Dolores Duran rompeu uma trajetória vivida intensa e sensivelmente. A amiga Marisa Gata Mansa levou os últimos versos de Dolores e para Ribamar musicá-los. Carlos Lyra fez o mesmo sobre os versos inéditos.


Naquela mesma noite de 23 de outubro, Marisa Gata Mansa, amiga íntima de Dolores, tinha estréia marcada no Bom Gourmet, onde iria mostrar a mais recente composição de Dolores: Noite de paz. Com Marisa Gata Mansa haviam ficado alguns versos de Dolores, que foram musicados por Ribamar após a morte da compositora, como é o caso de Ternura antiga e Quem foi?.



Quando a morte a encontrou na sala de seu apartamento de Ipanema, ela estava no auge, tinha um programa na TV Rio e suas músicas faziam chorar as mulheres apaixonadas com canções como A Noite do Meu Bem (“Hoje eu quero a rosa mais linda que houver/ E a primeira estrela que vier/ Para enfeitar a noite do meu bem”) e Fim de Caso (“Eu desconfio que o nosso caso está na hora de acabar/ Há um adeus em cada gesto, em cada olhar/ Mas nós não temos nem coragem de falar”). Ela morreu deixando uma marca forte na música daquela década.


O ambiente aconchegante das boates, que pedia uma interpretação menos arrebatada do que a que predominou na música brasileira ao longo das décadas, forjou o jeito intimista e fez de Dolores uma precursora dos intérpretes da nascente Bossa Nova.



FONTE
Wikipédia