domingo, 25 de maio de 2014

Kátia



Kátia Garcia Oliveira (Rio de Janeiro, 26 de março de 1962) é uma cantora brasileira, afilhada artística de Roberto Carlos. Deficiente visual, Kátia começou a carreira em 1978, com a canção "Tão Só" (compacto simples).


Em 1979, lançou Lembranças, seu álbum de estréia), cuja canção-título é a mais conhecida de sua carreira até hoje.


Nos anos 80, katia atingiu o auge da fama, em abril em 1987, quando estourou nas rádios seu maior sucesso, "Qualquer Jeito", uma versão de It Should Have Been Easy, composição de Bob McDill, gravada por Anne Murray em 1982, assinada por Roberto Carlos, e Erasmo Carlos.


Compareceu em vários programas de televisão, entre eles Roberto Carlos Especial, exibido pela TV Globo desde 1974, e no Globo de Ouro, conquistando o carinho dos fãs. Ao longo de sua carreira, gravou dez discos e ganhou prêmios variados. Distribuiu durante oito anos um software de acessibilidade, o Dosvox.


Cega de nascença, cantora passou as duas últimas décadas se dedicando a projetos para deficientes visuais e ainda mantém amizade com Roberto Carlos, emplacou sucessos como “Qualquer jeito” e “Lembranças”, e chegou a vender um milhão de discos, decidiu dar uma freada na carreira em meados dos anos 1990, mas agora voltou a fazer shows, principalmente pelo Norte e Nordeste do país.


Parei por iniciativa própria, para me dedicar a projetos para deficientes visuais. No início, continuei cantando, mas com o tempo vi que os projetos precisavam de mais dedicação”, conta ela, que neste período também se formou em radialismo. “Nunca me afastei da mídia, a mídia é que se afastou de mim. Mas também não tenho esse negócio de mágoa."
Kátia nasceu prematura e cega:'Minha primeira luta
foi para viver'(Foto: Ricardo Leal/EGO)

Há quase 20 anos Kátia divulga e é a voz de programas de computadores para deficientes visuais. “Me apaixonei pela causa, nada como sentir na pele as necessidades. Antes não havia nada parecido desenvolvido no Brasil”, comenta. Com o programa, que transforma em áudio tudo que está no computador, Kátia passou a ficar boa parte do dia navegando na internet. Consulta notícias, troca emails com amigos e usa o Twitter. Também tem o hábito de comprar livros e escaneá-los, para que o computador os “leia” para ela.

Para sair à rua, tem a ajuda de Lurdinha, sua acompanhante há mais de 10 anos. Já teve um cão-guia, a cachorra Ene, até que ela morreu. “Não tenho problema em sair só, mas é mais fácil com alguém ao lado”, justifica Kátia, que mora em apartamento próprio no bairro do Grajaú, na Zona Norte do Rio.


A cegueira da cantora aconteceu após complicações no parto. Ela nasceu no sexto mês de gestação e pesando apenas um quilo. “Minha primeira luta foi para viver." Até os 16 anos, ainda conseguia ver raios de luz. “Conheci o sol, hoje é só a escuridão. Mas não sinto falta porque não perdi a visão, já nasci sem ela. Sou muito bem-resolvida com a minha realidade. Vejo tudo por dentro”, conta. “Aprendi a levar a vida numa boa, como a minha família me ensinou. Nunca houve lamentação lá em casa, mas sim muita força de vontade”, diz a cantora, que só não gosta quando a chamam de Kátia Cega. “Se referir a uma pessoa pela sua deficiência é de muito mau gosto. Mas o problema é de quem fala, não é meu. Não me sinto ofendida por ser cega.”

Amizade com Roberto Carlos
Vaidosa, Kátia não revela a idade por nada. “Sou mais velha que ontem e mais nova que amanhã. O espírito não envelhece”, desconversa. Para posar para o EGO em um shopping do Rio, fez escova nos cabelos, pintou as unhas e, como sempre, manteve os óculos escuros. “Tenho uma coleção, mais de 50 pares”, conta Kátia, que escolhe as próprias roupas. “Passo a mão, sinto, pergunto a cor. Sou exigente.”

A cantora não gosta que a chamem de Kátia Cega.
'Se referir a uma pessoa pela sua deficiência é de
muito mau gosto', diz (Foto: Ricardo Leal/EGO)

Dos tempos de sucesso, quando frequentava programas de auditório e tinha as músicas tocadas nas rádios, ela diz que não sente falta. “Não sinto nostalgia”, garante. Kátia acha que deixou de ser assunto porque não lançou mais discos, o que pretende fazer em breve. “Estar no rádio e na TV é consequência de um novo trabalho. Se eu lançar um CD, isso pode voltar a acontecer. Já tenho algumas ideias”, acredita ela, que atualmente curte o trabalho de Jorge Vercilo, Ana Carolina e Belo. "Mas as obras de hoje não ficam para o futuro, como acontecia com as canções dos anos 80."

O que mantém desde aquela época é a amizade com Roberto Carlos. “Ele é meu leme, meu conselheiro”, diz. Kátia nega ter ido além da amizade com o Rei. “É uma viagem quem insinua qualquer coisa. Nunca teve nem essa história de amor platônico. Conheço o Roberto Carlos desde que eu tinha quatro anos de idade. Cresci amando o trabalho dele e devo toda minha carreira a ele.”



FONTE


Nenhum comentário: