domingo, 6 de fevereiro de 2011

Consuelo de Paula


Formada em Farmácia, desde criança Consuelo de Paula freqüentava festas e manifestações folclóricas de sua cidade natal, Pratápolis - MG (como a congada, folia de reis e moçambique).

Entre os discos que ouvia em sua casa, destaque para os de compositores da MPB dos anos 30. Prêmio de cantora revelação do Festival de Música Popular do Sudoeste Mineiro (1982), tomou contato com os compositores mineiros Milton Nascimento e Lô Borges quando morou em Ouro Preto.

Radicada em São Paulo há mais de 12 anos, lançou o CD Samba, Seresta e Baião, em 1999, de forma independente. Com esse trabalho, a cantora e compositora recebeu diversos elogios dos mais diferentes críticos de música, que ressaltam a sua leitura peculiar dos movimentos populares com arranjos modernos.

Consuelo de Paula é cantora, compositora, poeta, diretora artística e produtora musical de seus três cds: Samba, Seresta e Baião (1998), lançado no Teatro do SESC Ipiranga, Tambor e Flor (2002), lançado no Theatro Ateneo de Buenos Aires e Dança das Rosas (2004), lançado no Theatro Municipal de São Paulo.



Em junho de 2008 foi lançada, no Japão, coletânea dessas três obras, batizada de Patchworck. São quinze faixas escolhidas pela equipe da Koala Records, com encarte primoroso e letras traduzidas.

Seus três cds estão articulados a partir de uma unidade conceitual a nos revelar uma trilogia. Todos foram reeditados recentemente pela Tratore, com distribuição para todo o Brasil e também para o exterior.

Consuelo possui forte presença de palco e carisma e é com estes elementos que ela completa sua expressão artística. Participou de diversos projetos culturais e de programas conceituados como o Ensaio (direção Fernando Faro) na TV Cultura de São Paulo, Talentos (Giovani Souza), na TV Câmara, de Brasília; A Voz Popular (Luís Antônio Giron) na Rádio Cultura de São Paulo, entre outros.

Realizou recentemente shows em espaços importantes como o Teatro Gran Rex de Buenos Aires (Noite Brasileira, com Consuelo de Paula e Naná Vasconcelos); Theatro Municipal de São Paulo; Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil (Consuelo de Paula, Rolando Boldrin, Chico Pinheiro e Heródoto Barbeiro); Teatro do Itaú Cultural, São Paulo; Teatro do Paiol, Curitiba; Clube do Banco do Nordeste, Fortaleza; Centro Cultural Santander, Porto Alegre; Teatro da FUNARTE, Rio de Janeiro; Teatro do SESC, Brasília; Teatro Abílio Barreto, Belo Horizonte; principais teatros dos SESCs em São Paulo. Participou do Projeto Pixinguinha, da FUNARTE, percorrendo diversas cidades em diferentes estados brasileiros.

Radicada há mais de 20 anos em São Paulo, é uma das poucas artistas de sua geração que possui, de fato, uma obra auto-referente na forma e no conteúdo. Sua experiência profissional está marcada por profunda coerência e dedicação aos elementos da cultura musical brasileira, com tudo o que ela tem de particular e de universal.

Minas Gerais, onde nasceu, deu-lhe o chão e São Paulo, o norte. Minas ofereceu-lhe a fonte e São Paulo, o apuro estético, o amadurecimento, a troca, os encontros. É natural de Pratápolis, cidade cortada pelo rio Palmeiras e córrego do Prata, ladeada pelo rio São João e cravada próxima ao rio Grande e à nascente do rio São Francisco. Não por acaso sua obra é permeada de referências ao movimento e efeito das águas.



Suas composições são surpreendentes, pictóricas; coloca-se como herdeira da arte musical brasileira e mantém compromisso com a contemporaneidade; revela, com sutileza, a marca de um trabalho inovador na maneira de compor, harmonizar e interpretar. Refinamento erudito, elegância popular e boas idéias são elementos constantes em sua obra e lhe asseguram profundo respeito e reconhecimento do público e da crítica especializada.

Atualmente prepara três álbuns, inteiramente de composições próprias. Dá continuidade, assim, a uma trajetória singular, com canções que revelam, poética, melódica e harmonicamente, as possibilidades de novos caminhos para a canção brasileira.

A exemplo de algumas músicas do cd Dança das Rosas, nesses próximos trabalhos Consuelo amplia o diálogo com a Península Ibérica, aprofunda relações sonoras entre a música brasileira e latina e o olhar para o continente africano, sem deixar em nenhum momento de ser pratapolense, mineira e brasileira, estabelecendo relações atávicas e futuras com os universos citados, além de mais uma vez afirmar sua proximidade com a poesia, particularmente aquela que se coloca a serviço da canção.

Com uma trajetória marcada pela coerência e profunda sensibilidade artísticas, a cada trabalho Consuelo nos coloca diante de algo novo, inusitado e surpreendente; está sempre a nos revelar onde mora o Brasil.



Outros trabalhos registrados:

Consuelo foi convidada a participar de outros importantes cds: canta ao lado de Rolando Boldrin no cd Senhor Brasil; interpreta a canção Lua Branca em Divas do Brasil, disco de prata em Portugal, onde figura ao lado de Elis Regina, Maria Bethânia, Céline Imbert, Bebel Gilberto, Astrud Gilberto e Zizi Possi, entre outras; comparece em duas faixas na coletânea Cachaça Fina (Spirit of Brazil), lançada no exterior: Samba, seresta e baião, de sua autoria, e Moro na Roça, samba que já foi interpretado por Clementina de Jesus.

Assinou o roteiro do cd Velho Chico, uma viagem musical, do cantor e compositor Elson Fernandes, no qual interpreta a canção O Ciúme, de Caetano Veloso, considerada a gravação definitiva pelo crítico Mauro Dias, no jornal O Estado de São Paulo. Sua canção Sete Trovas foi gravada por Ana Cascardo (cd Esta noite vai ter sol), e a canção Os terços do Samba foi gravada por Cris Lemos e Zé Luiz Maziotti (cd Meu Lugar).



FONTE
mpbnet

siteoficial

2 comentários:

heloisa disse...

Bravo, bravíssimo. É o universo mais interessante, belo e artístico da nossa música! Consuelo de Paula é para o presente e para o futuro.

Beth disse...

Realmente, uma linda voz. Daquelas que não se limitam as possíveis barreiras do tempo...