domingo, 20 de novembro de 2011

Jaime Florence


Meira (Jaime Tomás Florence), instrumentista e compositor, nasceu em Paudalho/PE em 1/10/1909 e faleceu no Rio de Janeiro/RJ em 8/11/1982. Aprendeu a tocar violão com o irmão Robson, com quem seguiu para o Rio de Janeiro em 1928 no conjunto Voz do Sertão, organizado por Luperce Miranda ainda em Recife, em 1927, e integrado também por Minona Carneiro (cantor) e José Ferreira (cavaquinho).

Foi vizinho de Noel Rosa, que compunha os primeiros sambas. No início da década de 1930 teve editada uma musica sua, Falando ao teu retrato (com De Chocolat), gravada em 1935 por Augusto Calheiros.

Teca Calazans & Heraldo do Monte - Falando ao Teu Retrato

Sua estréia em disco, porém, ocorreu em 1934, quando Benedito Lacerda e seu regional lançaram o choro Primavera.

Em 1937 substituiu o violonista Carlos Lentine no Regional de Benedito Lacerda, o qual, com Dino (violão de sete cordas), formou uma das mais duradouras duplas violonistas da música popular brasileira. Com o regional, acompanharam os grandes cantores populares da época, em apresentações e gravações.

Na década de 1940, apareceu com algumas composições que alcançaram êxito, como Aperto de mão (com Dino e Augusto Mesquita), gravada por Isaura Garcia na Victor, em 1943; Deixa pra lá (com Augusto Mesquita), choro gravado pela mesma cantora em 1945; e Amar foi minha ruína (com Augusto Mesquita), lançado por Gilberto Alves em 1947.

Aperto de mão (Horondino Silva / Jayme Florence / Augusto Mesquita)

Em 1950, quando Benedito Lacerda abandonou as atividades artísticas, permaneceu no grupo, que passou a se chamar Regional do Canhoto, realizando durante a década de 1950 muitas gravações com choros dos seus integrantes, além de acompanhar outros artistas.

Na foto acima da esq p/ dir: Luperce Miranda, Meira,
Jorginho do Pandeiro, Canhoto e Dino.

Augusto Mesquita, (re)lançou samba-canção Molambo, grande sucesso nas gravações de Roberto Luna e Cauby Peixoto.

Em 1965 tomou parte no show Samba Pede Passagem, organizado por Sidney Muller, e participou da gravação do LP Rosa de Ouro, pela Odeon. Atuou em gravações de novos sambistas e, a partir de 1970, também de discos de choro, além de lecionar violão no Rio de Janeiro.

Você Sabia?!
  • Que Meira foi solista e acompanhador de primeira linha, compositor de lindas melodias, excelente harmonizador e tocava com desembaraço outros instrumentos?
  • Que apesar da intensa atividade de gravação e apresentação, não abria mão do ofício de professor de violão, contribuindo para a formação de centenas de violonistas, entre eles, Baden Powell, Rafhael Rabello e Maurício Carrilho?
  • Que aos dezoito anos esse pernambucano de Paudalho, já morando em Recife, integrava o conjunto – “Voz do Sertão” – liderado pelo grande bandolinista Luperce Miranda?
  • Que em 1934 teve a felicidade de ver seu choro “Primavera” gravado pelo flautista Benedito Lacerda, e tempos depois esse choro recebe a denominação de “Arranca Toco” e é gravado, até hoje, pela nova geração do choro?
  • "Arranca Toco", de Meira, com Garoto e Regional. Discos Odeon, 1950.
  • Que em 1937 é chamado a integrar o regional de Benedito Lacerda junto ao cavaquinista Canhoto e o violonista Dino 7 Cordas?
  • Que Meira e Dino formaram por 45 anos a dupla mais duradoura da história da música brasileira, desfazendo-se com a morte de Meira em 08/11/1982?
  • Que lamentavelmente nunca gravou um disco próprio?
  • Que as grades do muro e janelas da sua casa (perto da estação de Mangueira), era em forma de “Clave de Sol”?
  • Que suas composições foram gravadas por artistas talentosos, como Elizeth Cardoso, Nana Caymmi, Orlando Silva, Luiz Gonzaga, Elza Soares, Nelson Gonçalves, Isaurinha Garcia, Zezé Gonzaga, Taiguara, Danilo Caymmi, só para citar alguns?
  • "Aperto de Mão", de Meira, Augusto Mesquita e Horondino Silva (Dino 7 Cordas), na voz de Isaurinha Garcia. Discos RCA VICTOR, 1943.
  • "Molambo", de Meira e Augusto Mesquita, na interpretação de Roberto Luna / Coro: Luiz Arruda Paz e Orquestra. Discos Odeon, 1955.
  • Que formou um duo com o violonista Dilermando Reis em diversos discos de 78 rpm, entre os anos de 1941 – 1949?
  • Que até hoje o professor e violonista Meira faz uma baita falta?
    Regional de Canhoto: Gilson, Canhoto e Altamiro Carrilho (de pé);
    Meira, Orlando Silveira e Dino (sentados).

  • Que, com o regional de Benedito Lacerda e, posteriormente, com o de Canhoto, participaram de inúmeros discos, acompanhado Carmen Miranda, Joel e Gaúcho, Silvio Caldas, Carlos Galhardo, Manezinho Araújo, Paraguassu, Dalva de Oliveira, Francisco Alves, entre outros grandes nomes?
FONTE

- Violões do Brasil / organização Myriam Tubkin; fotos Angélica Del Nery. - 2ª edição rev. e ampl. - São Paulo: Editora Senac São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2007.

- Uma História da Música Popular Brasileira - das origens à modernidade / Jairo Severiano. - São Paulo: Ed. 34, 2008.

Áudios: Acervo do Instituto Moreira Salles.



2 comentários:

cicero disse...

Parabéns por seu belo blog!Coloquei um vídeo do youtube com a canção Molambo no facebook e estava procurando informações sobre os compositores,quando encontrei essa jóia rara que você mantém.Muitas felicidades e obrigado por contribuir para manter viva a história da nossa música.

Beth disse...

Obrigada pelo incentivo Cicero!