Perfil

Minha foto
Brazil
"Acho que finalmente me dei conta que o que você faz com a sua vida é somente metade da equação. A outra metade, a metade mais importante na verdade, é com quem está quando está fazendo isso."

sábado, 2 de abril de 2011

Os Incríveis




Domingos Orlando "Mingo", Waldemar Mozema "Risonho", Antônio Rosas Seixas "Manito", Luiz Franco Thomaz "Netinho" e Demerval Teixeira Rodrigues "Neno", que foi substituído em 1965 por Lívio Benvenuti Júnior "Nenê", formavam Os Incríveis, uma banda brasileira de rock e pop dos 60 e 70. Além do sucesso com seus próprios discos, o grupo Os Incríveis, acompanhou vários artistas, como Demetrius (A bruxa) e Orlando Alvarado.

Em 1962, surge em São Paulo os The Clevers, inspirados pelos conjuntos instrumentais norte-americanos, muito populares na época, como The Ventures e The Shadows. Em seus shows, os The Clevers tocavam pricipalmente twist, estilo em moda no início da década de 1960. Porém, aos poucos foram introduzindo músicas cantadas, interpretadas pelo guitarrista-base, Mingo, que tinha boa voz e chegou até a gravar isoladamente.


No entanto, devido a problemas legais com o empresário, a banda foi obrigada a mudar o nome, e optou por Os Incríveis, aproveitando o recall obtido com o sucesso do LP "Os incríveis The Clevers". É desse período o sucesso "O milionário", uma das mais executadas na época. O grande sucesso mesmo viria após a mudança do nome, quando chegou a ter um programa na TV Excelsior e a estrelar um filme, intitulado "Os Incríveis Neste Mundo Louco", com o Primo Carbonari.

Os Incríveis - O Milionário


As primeiras gravações datam de 1963 com um compacto e um LP, fazendo sucesso dentro do estilo twist, então na moda, com destaque para a música El Relicário.



Em 1963 a banda já tinha seu próprio programa de televisão, o "Cleavers Show" com balé dirigido por Leny Dale e que foi interrompido quando viajaram pela Itália para se apresentar em 35 cidades com a cantora Rita Pavone.



Com outros discos gravados e diante dos comentários de um possível namoro do baterista Netinho com a cantora Rita Pavone, uma espécie de Madonna na época, que se apresentava no Brasil, a banda ganhou notoriedade. O resultado foi uma excursão com a cantora italiana por várias cidades da Europa. A banda era a responsável pela abertura dos espetáculos de Rita Pavone. Na volta, os músicos trouxeram na bagagem o primeiro equipamento completo de show, que deu uma guinada em suas apresentações, e gerou qualidade técnica de suas gravações.

Em 1964, contratados pela TV Argentina, gravaram um LP em espanhol e passaram a se chamar "Los Increibles".

Já em 1965, após passarem 10 meses em Buenos Aires retornam ao Brasil pra participar, com Roberto Carlos, Erasmo e Wanderléa do "Programa Jovem Guarda". O grupo participou em 1965 da estréia do programa Jovem Guarda, ao lado de Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa, Tony Campello e outros, na TV Record. Em seguida foram convidados a apresentar o programa "Os Incríveis".

Na mesma época, viajam de navio pela Europa filmando o longa "Os incríveis nesse mundo louco" e em Londres participam de gravações.

Os Incriveis neste mundo louco





Já de volta ao Brasil lançam o grande sucesso "Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones". Entre o fim da década de 60 e o início da seguinte, os artistas lançaram músicas muito populares como a versão "Era um Garoto que como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones" (Gianni Morandi, versão de Brancato Jr.), "Vendedor de bananas" (Jorge Benjor), "Molambo" (Jayme Florence Augusto Mesquita), "O vagabundo" (versão de George Freedman para Giramondo) e "Eu Te Amo, Meu Brasil" (Dom).

Eu Te Amo Meu Brasil - Os Incríveis
Compositor: Dom


Destaque para a música "Vai meu Bem" (versão para Hideway - da banda Dave Dee), lançada em 1967, que remetia a ideia de um amor desacreditado, através de um flashback desastroso assumindo primeiro uma 3ª pessoa para depois falar de si mesma "Vai meu bem que eu amo só você. Assim acreditei, sem perceber que em meu lugar havia outro alguém".

Em 1967-1968, Os Incríveis apresentaram-se, ao vivo, no Japão e Europa, e gravarem um LP especial para o mercado latino-americano, "Los lncreíbles" (CBS Argentina).



Em 1971, os músicos também fizeram um segundo filme, "Conflito em San Diego", faroeste filmado em Ribeirão Preto (SP), produção italiana que acabou não vingando porque a banda se separou.

Ao longo dos anos de 1970, ex-integrantes dos Incríveis formariam outras importantes bandas do rock brasileiro, Netinho montou a banda Casa das Máquinas e Manito juntamente com Pedro Baldanza e Pedro Pereira da Silva formaram o famoso grupo progressivo Som Nosso de Cada Dia.

OS INCRIVEIS 1989 Jovem Guarda

(Show gravado em Bauru/SP - em 1989)

"Kokorono-Niji" é um dos grandes sucessos de 1968 do grupo Os Incríveis. Trata-se de uma versão dos próprios componentes da banda para a música originalmente composta por J. Hashimoto e T. Inoue. É uma das poucas canções de origem japonesa que obteve êxito no Brasil, ao lado de "Olhando para o céu"
(Sukiyaki), gravada pelo Trio Esperança, "Sayonara", também registrada pelo conjunto e pela cantora e apresentadora Rosa Miyake, além de "Saudade de você", versão de "Kimi Koishi", sucesso de Frank Nagai, na voz da cantora Martha Mendonça (esposa do cantor Altemar Dutra).




OS INCRIVEIS "UMA ROSA PRA DITA" (1973)



Os Incríveis cantam "Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones" no programa Bem Brasil, exibido em 1992 pela TV Cultura.


(O grupo Os Incríveis, um dos mais populares da Jovem Guarda, interpreta a versão da própria banda para "Sayonara", música originalmente lançada no III Festival Internacional da Canção Popular (FIC).

Integrantes
  • Domingos Orlando, "Mingo" - (voz e guitarra)
  • Waldemar Mozema, "Risonho" - (guitarra)
  • Antônio Rosas Seixas, "Manito" - (teclados, vocal e sax)
  • Luiz Franco Thomaz, "Netinho" - (bateria)
  • Demerval Teixeira Rodrigues, "Neno" - (baixo)
  • Lívio Benvenuti Júnior, "Nenê" - (baixo)
Ainda na década de 1960, Neno deixou o conjunto, entrando para os Jordans, substituído por Nenê (Lívio Benvenutti Jr., São Paulo SP 1947-), cuja semelhança de apelido causa certa confusão entre os fãs.



Entrevista com Os Incríveis aqui por Marcelo Froés e Elias Nogueira (11/05/2005)



  • NETINHO - Luiz Franco Tomaz, nasceu em Santos, dia 05 de abril de 1946, considerado um dos maiores bateristas do Brasil. Ficou famoso quando os Incríveis realizaram uma excursão mundial, e ele namorou a famosa cantora italiana Rita Pavone. Também cantava, mas teve que abandonar os vocais porque operou da garganta e perdeu a voz. Seu filho recentemente participou dos incríveis como guitarra solo. Durante algum tempo, foi baterista do grupo CASA DAS MÁQUINAS. Continua em ação nos INCRÍVEIS até hoje.
  • NENO - Demerval R. Teixeira, nasceu em Presidente Epitácio em 15 de junho de 1940. Tocava Pistão, Guitarra e Contrabaixo. Participou dos Incríveis apenas nos primeiros tempos. Depois saiu e foi tocar no outro conjunto famoso da época, OS JORDANS, onde seu irmão já fazia parte. Nos Incríveis, foi substituído pelo Nenê.
  • RISONHO - Waldemar Mozena, nasceu em Lins, no dia 11 de agosto de 1943. Antes de pertencer aos Incríveis, era bancário. Com sua guitarra solo fazia milagres e até hoje é lembrado como um dos melhores guitarristas de todos os tempos. Como referência, não precisa dizer muita coisa do seu talento, apenas que é o melhor performer da música O MILIONÁRIO, até hoje. Não atua mais profissionalmente na música.
  • MINGO - Domingos Orlando, nasceu em São Paulo, no dia 01 de janeiro de 1943. Tornou-se o vocalista principal dos Incríveis, cantando em vários idiomas. Deu voz ao principal sucesso do grupo, a música ERA UM GAROTO...
  • MANITO - Antonio Rosas Sanches, nasceu em Vigo, na Galícia (Espanha) em 03 de abril de 1943. É o músico mais versátil do grupo, tocando um sem número de instrumentos. É o responsável pelos instrumentos de sopro e pelos teclados. Durante algum tempo, tocou no grupo O SOM NOSSO DE CADA DIA. Continua em ação nos INCRÍVEIS
  • NENÊ - Lídio Benvenutti, considerado um dos melhores baixistas da música brasileira, sempre foi considerado o "galã" do grupo. Desempenhou grande papel como vocalista, revezando-se com Mingo, no vocal principal. Antes de entrar para Os Incríveis, participou da banda The Rebels. Atualmente é produtor musical.



Outros membros participaram em como convidados em épocas diferentes, porém, os INCRÍVEIS acima sempre formaram o núcleo central do conjunto."

FONTE

Wikipédia

Nenhum comentário: